Lutas, histórias, dores, glórias: a saga de um nocauteador de adversidades!

Na minha juventude, tomado por um espírito idealista e seduzido pelas inebriantes ilusões da vida, decidi que queria estudar Medicina! Para ajudar minha família. Para sair da pobreza e superar as dificuldades financeiras que sempre se fizeram presentes na minha existência. Para tornar-me útil à sociedade, minorando o sofrimento físico e psíquico das pessoas, ajudando-as a vencer as intempéries provocadas pelas doenças.
Enquanto muito motivado, inspirado e nutrido pelos melhores sentimentos, infelizmente na minha jornada encontrei muita gente de péssima índole, invejosa, mesquinha, preconceituosa, ignorante, desonesta… Indivíduos infectados pelo vírus do “espírito de porco”, ou pobres de espírito, medíocres em diversos aspectos. Gente que, crendo não ter capacidade para fazer ou conseguir alguma coisa positiva, prefere atrapalhar, desestimular e até mesmo prejudicar quem pensa de um jeito diferente!
Por sorte – ou por intervenção divina – também cruzaram o meu caminho pessoas de bem, que me acolheram, apoiaram e auxiliaram de forma grandiosa, principalmente nos momentos mais difíceis e dolorosos.
Buscando ampliar minha visão de mundo e almejando ser mais prestativo e útil às pessoas, optei também por enveredar-me pelos meandros do Direito. Vislumbrando a possibilidade de combater as injustiças, tão presentes na realidade deste país, e assim levar alento a todos os que se encontram sufocados e oprimidos pelos abusos e incoerências do Poderes Constituídos, entre outros agentes públicos e privados que, não raramente, desrespeitam os princípios da Democracia, acentuam as desigualdades e causam severos danos aos cidadãos.
Trata-se de uma escolha pessoal. Não viso apenas aos aspectos financeiros. A prosperidade é consequência de um trabalho executado com ética, competência, dedicação e interesse genuíno quanto a solucionar os problemas das pessoas. O que é seu o Universo concede espontaneamente, de forma justa, em resposta aos seus esforços. Você não precisa explorar ninguém, nem viver mendigando. Tudo é uma questão de equilíbrio e bom senso.
O desejo de ser capaz de tornar a vida de alguém um pouco melhor, ou menos dura, sobrepõe-se a qualquer expectativa de recompensa pecuniária.
É com esse espírito e por meio dessa crença que persisto em minha trajetória de contínuo aprimoramento pessoal e profissional, de modo a crescer não em vaidade, mas em sabedoria e humildade, na busca constante de evolução como ser humano. Um homem consciente de suas limitações, porém obstinado e disposto a transpor os obstáculos que se descortinam em cada etapa. Vou avançando e cumprindo os desígnios do Grande Arquiteto do Universo, da Mente Universal Única, da Fonte Criadora Primordial: Deus!
Com entusiasmo e vontade para progredir sempre no sentido de fazer o bem e não prejudicar ninguém (primum non nocere), bebo dessa Fonte inesgotável e generosa, e dela extraio a energia que me impulsiona rumo à concretização dos meus sonhos.
Se você não se reveste de um caráter nobre, se seus objetivos e intenções não estão sintonizados com a Natureza e o Universo, você não tem condições de ser instrumento para a prática do bem e a busca da felicidade, seja esta individual ou coletiva.
Todos trazemos, em nossos âmagos, a centelha do fogo divino, a semente para a criação de tudo que possa ser benéfico à experiência humana. Nossa essência é uma replicação do caráter do Criador, uma vez que dEle fomos concebidos conforme Sua imagem e semelhança.
Sendo assim, cada um de nós é dotado de poder suficiente para gerar abundância, alegria, paz e felicidade!
Fazer o bem é uma questão de fórum íntimo, isto é, intrínseca a cada pessoa. O Universo é tão sábio que concedeu à Humanidade o livre-arbítrio: cada um tem a liberdade e o direito de agir como bem entender, porém deve assumir as consequências. O Universo não é um ditador. Ele não obriga ninguém a fazer ou deixar de fazer absolutamente nada! Você é quem tem que escolher…
E, se temos a opção de fazer o bem e melhorar nossa vida e as vidas de outras pessoas, que nossas ações sejam direcionadas a fazer dessa escolha a mais válida possível!
A minha eu já fiz e manterei congruente com aquilo que acredito ser bom para mim e para os demais.
Sejamos seres de Luz a inundar o mundo com os raios da plenitude! Que nosso brilho possa guiar-nos com amor, serenidade e maestria pelas Veredas e Verdades da vida.
Sempre!

Dr. Adriano A. Batista

😷😊⚔😎🤘🏻🏆🌹

Boqueirão

Hoje foram realizados testes nas comportas do açude Engenheiro Ávidos (o Boqueirão), e água jorrou para o leito do Rio Piranhas.

Etimologicamente, um boqueirão representa uma passagem estreita entre duas serras. É comum, na construção de açudes, o aproveitamento de um boqueirão como ponto de escoamento de água.

Os açudes Engenheiros Ávidos (Cajazeiras) e Epitácio Pessoa (Campina Grande) receberam a alcunha de “Boqueirão” justamente por sua característica peculiar: ambos foram construídos nas proximidades de boqueirões.

Sangria do Açude de São Gonçalo em 2020.

O Projeto Songa 2020 tem a satisfação e o orgulho de poder contribuir para a divulgação da situação do Açude de São Gonçalo em 2020.

Felizmente neste ano o Sertão nordestino, de forma geral, foi agraciado com chuvas abundantes, as quais permitiram recargas significativas de vários mananciais. Grande parte deles chegaram a transbordar, como é o caso de São Gonçalo, que nesta data continua sangrando, para a felicidade dos sertanejos!

São Gonçalo transborda abundância!

Finalmente os sertanejos já podem comemorar: o Açude de São Gonçalo voltou a sangrar após nove anos!

Durante o período de sangria, para aproveitar ao máximo o potencial das águas, devem ser tomadas as seguintes medidas: 1 – suspensão, em caráter temporário, do racionamento na região de Sousa; 2 – liberação de água nos dois grandes canais visando à irrigação das terras do Perímetro Irrigado de São Gonçalo, dos Núcleos I, II e III e de toda a área das Várzeas de Sousa.

Isso certamente contribuirá, juntamente com as chuvas e a vazão do Rio Piranhas, para reduzir ainda mais os efeitos da estiagem prolongada e garantir o abastecimento de várias comunidades. Tão logo cesse a sangria, as medidas para economia de água e controle do desperdício devem ser restabelecidas.

Segurança no Açude de São Gonçalo

As chuvas deste ano trouxeram consigo perspectivas alvissareiras para os sertanejos, que nutrem grandes expectativas quanto a uma temporada mais promissora para as atividades agropecuárias.

Caso as precipitações pluviométricas tendam a manter o ritmo evidenciado até o momento, com os mananciais recebendo aportes significativos do líquido precioso proveniente do firmamento, em breve festejaremos os transbordamentos de importantes reservatórios.

É o caso, por exemplo, do Açude de São Gonçalo – Sousa-PB, o qual vem sendo agraciado com recargas generosas, contribuindo para uma rápida elevação do seu volume.

O que é motivo de imensa alegria e alento para a população local também deve ser encarado com muita cautela por quem se arrisca a banhar-se naquelas águas. Sobretudo na iminência da sangria.

São Gonçalo já foi palco de sangrias fenomenais, ao mesmo tempo belas e assustadoras. Houve registros de épocas em que a lâmina d’água chegou a atingir 1,84 m de altura. A força das águas nessas circunstâncias é avassaladora. A forte correnteza que se forma junto à parede da sangria é extremamente impetuosa, poderosa, e nenhum ser humano conseguiria sair incólume ao ser tragado pelas águas e arremessado com violência contra o leito rochoso do Rio Piranhas (logo abaixo).

Portanto, nunca é demais lembrar aos banhistas e apreciadores desse majestoso espetáculo da Natureza que todo cuidado com a segurança é muito pouco! É necessário manter a devida distância, respeitando a superioridade das águas frente à limitada condição humana, e assim prevenindo a ocorrência de potenciais desfechos trágicos. Para os mais entusiasmados que, além de assistir à sangria e aventurar-se nos mergulhos, vão comemorar fazendo uso de bebidas alcoólicas, as precauções devem ser triplicadas!

Seguindo as recomendações de segurança e respeitando uma distância mínima para a observação do fenômeno, todos podem admirar a beleza da sangria do Açude de São Gonçalo e registrar esse momento por meio dos recursos eletrônicos hoje disponíveis. E, ao final, retornar às suas casas com os corações repletos de felicidade e as lembranças que ficarão eternizadas em suas mentes.

Situação atual da parede de sangria do Açude de São Gonçalo

Projeto Songa: trilha ecoturística, estrada, estátua, hotel…

A integração de todos os elementos do Projeto Songa 2020 apresentados até aqui permite conceber a real dimensão do projeto, o qual contempla melhorias significativas em termos de infraestrutura, logística, lazer etc. Se levado à execução, o Projeto Songa 2020 representará um grande divisor de águas para a história de São Gonçalo e região, resultando em progresso e desenvolvimento socioeconômico, gerando inegáveis benefícios para a população local!

As fotos a seguir exibem exemplos de estradas construídas sobre serras:

Empreendimento: Hotel Panorâmico!

Dentro da proposta de melhorias a serem implementadas por meio das ações do Projeto Songa 2020, encontra-se a construção de um Hotel Panorâmico sobre o dorso do Serrote de São Gonçalo. Seria um empreendimento inédito em todo o Sertão, capaz de gerar valor econômico, turístico e social. Visitantes teriam acesso a um local para descanso, lazer e entretenimento, contemplando uma vista de 360 graus das várzeas de Sousa e adjacências. O Hotel geraria empregos diretos e indiretos, e suas atividades contribuiriam substancialmente para o desenvolvimento da região, uma vez que se tornaria polo de atração para visitantes de diversas partes do Sertão, da Paraíba e até de outros estados, trazendo consigo divisas para impulsionar a economia local.

Abaixo, imagens da provável localização do Hotel Panorâmico:

As montagens a seguir demonstram, de forma ilustrativa, uma perspectiva de como seria o aspecto de um Hotel Panorâmico sobre o Serrote de São Gonçalo:

No empreendimento haveria espaço para amplo estacionamento, piscina, área de lazer, restaurante com cozinha regional etc. A captação de água seria feita por bombeamento do Açude de São Gonçalo e por meio de cisternas que acumulariam águas pluviais. As benfeitorias seriam realizadas em paralelo à construção de uma via pavimentada (asfaltada). Esta teria o nome de “Rodovia Serrana” e rasgaria todo o trajeto da crista do Serrote de São Gonçalo, ao lado da Grande Trilha Ecoturística, fazendo a ligação até a Estátua do Cristo Rei, aos mirantes e, mais a leste, no final da serra, facilitaria a circulação e o transporte de pessoas, veículos e mercadorias entre Sousa, São José da Lagoa Tapada e outras cidades, encurtando distâncias e expandido possibilidades.

Teleférico

Uma das formas de acesso à estátua localizada no topo do Serrote de São Gonçalo seria por meio de uma escadaria e/ou um teleférico, conforme ilustrado nas montagens a seguir (as imagens são meramente ilustrativas; o modelo da estátua não seria aquele exibido nas fotos, mas o do Cristo Rei):

Estátua no Pico do Serrote de São Gonçalo

De acordo com o que foi sugerido na proposta original de criação da grande Trilha Ecoturística de São Gonçalo, uma estátua seria erguida no pico mais elevado do serrote, como referência aos visitantes.

Quem chegasse ao acesso de São Gonçalo pela BR-230 teria aproximadamente a seguinte visão:

A foto a seguir é apenas ilustrativa, visando a fornecer uma noção de como seria o aspecto de uma estátua localizada sobre o cume do Serrote de São Gonçalo. As dimensões da estátua não teriam que, necessariamente, ser iguais às da exibida nesta montagem. A posição da estátua também não seria a mostrada na foto.

Abaixo, mais uma imagem ilustrativa, indicando a localização da estátua e de dois mirantes em picos secundários. Como meios de acesso ao local, poderia ser utilizada a trilha, ou seria construída uma estrada (de terra ou pavimentada/asfaltada), além de uma escadaria e/ou um teleférico.

A seguir, uma última imagem ilustrando o efeito visual da estátua sobre o serrote, em um ângulo diferente:

A Trilha no Serrote

Serrote de São Gonçalo visto a partir da BR-230, sentido Cajazeiras. Na foto estão indicados o início e o término do trajeto da trilha sobre o dorso da serra, assim como a localização dos mirantes.

Serrote de São Gonçalo visto a partir da PB-384, sentido Sousa.