Sangria do Açude de São Gonçalo em 2020.

O Projeto Songa 2020 tem a satisfação e o orgulho de poder contribuir para a divulgação da situação do Açude de São Gonçalo em 2020.

Felizmente neste ano o Sertão nordestino, de forma geral, foi agraciado com chuvas abundantes, as quais permitiram recargas significativas de vários mananciais. Grande parte deles chegaram a transbordar, como é o caso de São Gonçalo, que nesta data continua sangrando, para a felicidade dos sertanejos!

São Gonçalo transborda abundância!

Finalmente os sertanejos já podem comemorar: o Açude de São Gonçalo voltou a sangrar após nove anos!

Durante o período de sangria, para aproveitar ao máximo o potencial das águas, devem ser tomadas as seguintes medidas: 1 – suspensão, em caráter temporário, do racionamento na região de Sousa; 2 – liberação de água nos dois grandes canais visando à irrigação das terras do Perímetro Irrigado de São Gonçalo, dos Núcleos I, II e III e de toda a área das Várzeas de Sousa.

Isso certamente contribuirá, juntamente com as chuvas e a vazão do Rio Piranhas, para reduzir ainda mais os efeitos da estiagem prolongada e garantir o abastecimento de várias comunidades. Tão logo cesse a sangria, as medidas para economia de água e controle do desperdício devem ser restabelecidas.

Segurança no Açude de São Gonçalo

As chuvas deste ano trouxeram consigo perspectivas alvissareiras para os sertanejos, que nutrem grandes expectativas quanto a uma temporada mais promissora para as atividades agropecuárias.

Caso as precipitações pluviométricas tendam a manter o ritmo evidenciado até o momento, com os mananciais recebendo aportes significativos do líquido precioso proveniente do firmamento, em breve festejaremos os transbordamentos de importantes reservatórios.

É o caso, por exemplo, do Açude de São Gonçalo – Sousa-PB, o qual vem sendo agraciado com recargas generosas, contribuindo para uma rápida elevação do seu volume.

O que é motivo de imensa alegria e alento para a população local também deve ser encarado com muita cautela por quem se arrisca a banhar-se naquelas águas. Sobretudo na iminência da sangria.

São Gonçalo já foi palco de sangrias fenomenais, ao mesmo tempo belas e assustadoras. Houve registros de épocas em que a lâmina d’água chegou a atingir 1,84 m de altura. A força das águas nessas circunstâncias é avassaladora. A forte correnteza que se forma junto à parede da sangria é extremamente impetuosa, poderosa, e nenhum ser humano conseguiria sair incólume ao ser tragado pelas águas e arremessado com violência contra o leito rochoso do Rio Piranhas (logo abaixo).

Portanto, nunca é demais lembrar aos banhistas e apreciadores desse majestoso espetáculo da Natureza que todo cuidado com a segurança é muito pouco! É necessário manter a devida distância, respeitando a superioridade das águas frente à limitada condição humana, e assim prevenindo a ocorrência de potenciais desfechos trágicos. Para os mais entusiasmados que, além de assistir à sangria e aventurar-se nos mergulhos, vão comemorar fazendo uso de bebidas alcoólicas, as precauções devem ser triplicadas!

Seguindo as recomendações de segurança e respeitando uma distância mínima para a observação do fenômeno, todos podem admirar a beleza da sangria do Açude de São Gonçalo e registrar esse momento por meio dos recursos eletrônicos hoje disponíveis. E, ao final, retornar às suas casas com os corações repletos de felicidade e as lembranças que ficarão eternizadas em suas mentes.

Situação atual da parede de sangria do Açude de São Gonçalo